Acumulando Anos Novos

Da beira da piscina, a luz de uma vela, fraca e bruxuleante eu observava, quase como em câmera lenta, a confusão de pessoas se misturar num borrão branco que se deslocava de um lado para o outro, como uma nuvem.

Todos se abraçavam e desejavam um ano novo repleto de felicidade e realizações enquanto que eu ainda me pegava pensando nas coisas antigas que ainda não haviam se resolvido e entravam de mãos dadas comigo naquele ano que começava.

Porém, quando o primeiro raio de sol surgiu no horizonte daquele dia primeiro de janeiro de 2018 eu ainda não sabia o que fazer com toda aquela tralha emocional trazida de 2017, 2016, 2015… De repente a gente se flagra um costumas acumulador.

Minha mãe sempre diz que “quem guarda sempre tem”, mas isso não se aplica somente para as coisas boas e uteis. Sentimentos arruinados, sonhos velhos e objetivos vazios também passam a ocupar espaço no nosso tempo cada vez mais escasso, e por apego a essas coisas velhas deixamos de abrir espaço para outras novas que podem surgir.

Dai, apesar do calendário, o ano não mudou. Na verdade, você se vê preso em 2001 tentando lidar com aquele relacionamento que deu errado ou 2013 com aquela faculdade que você terminou de cursar e descobriu que não era o que você realmente queria ter feito e percebe o tempo que perdeu e isso vira motivo de remorso que nunca passa. A vida vira isso, um remorso gigantesco de coisas erradas e pessoas que magoamos.

Então o que eu fiz? Joguei fora. Não olhei para nada enquanto colocava na sacola do lixo. Tudo foi embora. Me perdoei ate mesmo de coisas das quais pretendia fazer. Tirei dos ombros o sentimento de culpa pela infelicidade que um dia me atribuíram e devolvi a quem merecia. Cada um que carregue sua cruz. Essa coisa de se sentir responsável pela (in)felicidade das pessoas parece bonitinho, mas é toxico demais. Cada um é responsável pelas próprias alegrias e desventuras, e esse ditado se tornou meu mantra diário para daqui em diante. Então, enquanto todos dormiam de barriga cheia e cansados da embriagues da noite anterior, meu ano começou realmente depois desse pacto que fiz comigo mesmo.

Feliz ano novo e tudo de bom para você que zerou a vida antes de começar outra e abriu espaço para viver novas loucuras – boas e ruins.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s