Arquivo da tag: Bobagens

Dharma e a Janela

Cat in a Window

As coisas andam ruim.

Uma grande crise nos ronda como uma fera selvagem à espreita, entre as sombras, pronta para atacar quando sacarmos a carteira do bolso e pagarmos as comprar do mês. Pelas ruas, pessoas murmuram como as coisas andam caras, como antigamente comprava-se muito mais com muito menos e que vai fica ainda pior. Um suspiro longo e lastimo pontua o fim da frase. Continuar lendo Dharma e a Janela

Hedwig: rock, amor e traição (2001)

Existe uma antiga lenda sobre a origem do amor.

a muito tempo, antes de tudo o que conhecemos como real existisse, haviam criaturas de um unico corpo e de duas almas. Um dia os deuses, tomados de ira e inveja, dividiram essa criatura em duas e as separam pelo mundo, amaldiçoando-as a viver uma vida solitaria e incompleta.

Foi dessa lenda que surgiu a expressão “alma gemea”.

o filme “Hedwig: rock, amor e traição” fala com muita musica, otima atuação e excelente fotografia sobre como procuramos nós completar na procura desse amor roubado.

bem, não irei falar muito sobre o filme. Espero que alguem o assista e possa compartilhar sua opnião com os demais leitores.

Bom filme pessoal!!!

Sinopse

Hansel é um jovem que mora em Berlim Ocidental e que sonha em se tornar uma grande estrela do rock nos Estados Unidos. Até que ele conhece um belo americano que lhe promete amor e liberdade e que pode fazer com que todos os seus sonhos se tornem reais. Mas para ir para os Estados Unidos juntamente com ele Hansel precisará fazer uma operação de mudança de sexo, pois somente assim com ele poderá se casar. Assim nasce Hedwig (John Cameron Mitchell), que chega a Kansas no mesmo dia em que o Muro de Berlim é derrubado. Preparando-se para dar início à sua carreira, Hedwig utiliza pesada maquiagem, uma peruca a la Farrah Fawcett e forma sua própria banda, chamada The Angry Inch. Porém, Hedwig logo se apaixona por um garoto de 16 anos chamado Tommy Gnosis (Michael Pitt) que acaba lhe dando um golpe e roubando suas canções, tornando-se assim a estrela do rock que Hedwig sempre sonhou ser. Recusando-se a ser derrotada, Hedwig começa então a cantar juntamente com sua banda em restaurantes e bares, buscando o reconhecimento por seu trabalho.

 

Cris Do Contra

A maior parte das pessoas que me conhece já estão bem acostumadas com esse meu jeito de ser. Mas caso um dia venhamos bater um papo mais longo, de preferência regado a bastante café, você notara que não sou muito passivo as opiniões. Sou do tipo “do contra”.

Mas sou bem diferente das pessoas que gostam de ser sempre de esquerda, de opinião inversa, seja de tudo ou de todos, preferem ser contra qualquer ideia pelo simples prazer de ser e ver alguém irritado. Eu não sou assim.

Vou me sentar, ouvir atentamente, concordar em muitos pontos, no entanto, não espere sempre que eu diga: “concordo plenamento!”. Isso seria uma raridade, como um mamute congelado no ponto mais frio do polo norte. Não leve a mal, mas essa é a parte mais divertida de conhecer a ideologia do mundo todo. Como sempre digo, é discordando que a gente aprende.

Quando ficamos muito respectivos, acabamos absorvendo muita informação errônea ou incompleta. Por isso questionar, informar-se é algo importante. Quem nunca ficou com cara de tacho quando entrou numa roda de cirurgiões e não sabia bem o que disser, ou não tinha mesmo o que falar? Fico como um daqueles cachorrinhos de taxi balançando a cabeça para cima e para baixo, gemendo um “an-han” ou “humm”. Finge saber, mas não entendeu nem bulhufas.

Aceite, você é um idiota! Melhor exemplo é a capacidade de morrer na frente da tevê assistindo toda aquela enxurrada de informações, seja interessante ou superficial, por longas horas. É normal, eu sei, ficar absorvendo tudo aquilo, mas não é o ideal.

Comigo isso não rola! Não tenho vocação para ser antena. Existir somente para receber informação – seja qual for – de forma passiva. Prefiro comparar-me a um satélite, recebo e transmito o que penso de forma abrangente, depois de um crivo de avaliação. Pensar bem no que iremos falar é muito importante para não passar por ignorante na frente de alguém. Disser que a obra “divina comedia” é de longe a melhor comedia. Não me faça isso, por favor.

Então fica a dica (adoro esse clichê, aff): questione tudo, não aceite qualquer coisa que lhe digam, procure a verdade por si mesmo e, o mais importante, não acredite no que acham de você.

Eu nasci gay, aceito minha condição e não pretendo ser como os “outros”. Demorei anos construindo essa personalidade forte e inabalável, fora desse habito autodestrutivo ao que algumas pessoas se moldaram como uma forma de proteção e se integrar a algum grupo, mesmo diferente dos seus valores, no desespero de se sentir incluso. Não preciso de uma parada gay para saber quais são meus direitos e deveres como cidadão, seja homo ou heterossexual. E não vai ser a opinião do mundo que ira mudar essa cabeça dura.

E se ser “do contra” significa defender o que se acredita, então que seja.

Breve Nota da Segunda

Tá complicado cara!

A internet recheada de informação inutil ultimamente tem inibido minha capacidade de encontrar assunto para o blog. Hoje resolvi dar aquela olhadinha basica nos conteudos gays, blog’s diarios e comportamentais, mas o vazio dentro das pessoas é como a minha inspiração.

houve uma época em que escrever era facil, mas o mundo tinha muito mais o que oferecer. Não havia televisão, mas a solidão e o tempo ocioso era muito interessante, nesses momentos eu podia caminhar pelas ruas e ver o que realmente não via no clautro quarto da pensão. Talvez essa seja a saida, ficar um tempo solto por ai, como uma folha ao vento, sem rumo ou destino e observar mais, sentir mais.

também sinto falta de algumas pessoas para compartilhar essas insanidades do pensamento que brotam, ficam rodando dentro da cabeça e fogem quando não são melhor aproveitados. Caso haja alguem afim de trocar ideias interessante, não exite de comentar o blog.

Já é um pouco tarde para isso, mas desejo uma otima segunda para todos.Image