Arquivo da tag: eu

Cala a Boca e Me Come!

 

Não gosta de mim? Ótimo, este é o melhor sinal de que logo seremos ótimos amigos.

Estou de certo modo acostumado com essa primeira impressão negativa sobre mim. Sempre ironizo o fato de que a maior parte das pessoas costumam detestar-me ou ter algum tipo de aversão antes de me amar, ou vice-versa. É algo tão obvio do nosso comportamento que nem ao menos me preocupo em provar o contrário. Digo nosso por que seria de um mau-caratismo tão grande me excluir dessa equação uma vez que preciso me fiscalizar corriqueiramente dentro dessa visão romântica do julgamento alheio.

Continuar lendo Cala a Boca e Me Come!

Anúncios

Onde encontrei Deus

A verdade? Eu nunca acreditei na existência de Deus – pelo menos não nos modos tradicionais de crer. Um bom senhor sentado num trono de mármore, rodeado de arcanjos e querubins, flutuando em nuvens tão brancas quanto o mais puro algodão, num êxtase eterno. Isto estava para mim como o coelho da pascoa, Papai Noel ou o Mickey Mouse. Pura fantasia insustentável. Continuar lendo Onde encontrei Deus

Sabe Quando Você Acorda Inútil?

Há um mês atrás eu acordei me sentindo a pior pessoa do mundo.

Contemplando o teto branco constatei a óbvia e tenebrosa realidade que eu vinha negando todo esse tempo. Eu não havia feito nada de relevante minha vida toda, eu era completamente inútil. Foi como despertar com um soco no estomago e não encontrar ninguém por perto.

Estou as voltas de outro aniversario. farei 28 anos. Parece até ontem que havia feito 18 anos. Dez anos passam voando quando você não está olhando. Quando você fica adiando para amanhã aquela guinada nos seus planos e sonhos. Agora eu estava ali, deitado olhando para aquele teto branco que representava toda uma vida. Um nada inútil. Continuar lendo Sabe Quando Você Acorda Inútil?

O Assassino Oculto

cronos

Se os cálculos estiverem certo, hoje eu completaria nove anos de prisão.

O cérebro humano é capaz de coisas surpreendentes. Mesmo tonto pela tentativa frustrada de sufocamento, ele conseguiu calcular com precisão o local onde eu precisava desferir o golpe para matar meu agressor. Meu braço se ergueu até as telhas baixas da varanda e agarrou o cabo do facão preso entre as madeiras. Parecia tudo muito bem orquestrada. Meu coração estava disparado como um animal correndo pela savana. Eu não era a pressa. Nos meus olhos a fúria que rugia era de um predador. Ele não se safaria, mesmo que percebesse o que eu estava planejando, qualquer reflexo seria tardio. E por alguns centésimos de segundo, eu tive sua vida em minhas mãos e eu estava decidido a dar um fim definitivo em sua miserável vida. Continuar lendo O Assassino Oculto